PAPISA, depois da inundação

Vídeo performance é contemplada no Prêmio Funarte Respirarte e exibição em sua primeira mostra internacional

O início da minha quarentena começou exatamente um dia depois da minha segunda duracional de um ano. Em 15 de março de 2020, terminavam as gravações da performance Papisa. Apesar do isolamento social, o período foi importante para a edição. Muitos takes, dias e situações. Não me lembro de todos os dias, obviamente, mas alguns foram marcantes: o dia que descobri uma traição, a alegria de ter começado um curso novo, bêbada depois de uma festa e ainda assim gravando, o dia que não tinha força direito de levantar o copo de tanta dor… Foi uma jornada intensa de ficar em casa, olhando para o meu último ano reproduzido pela minha imagem regando e regando.


Alguns cactos sobreviveram, inclusive eu. Aqui algumas fotos do processo.


A página hoje está atualizada com os primeiros caminhos do vídeo e o acesso para assisti-lo. Acesse aqui